Aprenda a Ganhar Dinheiro do seu Jeito na Internet!

Ata: as análises da múmia “extraterrestre” postas em causa

Estás a ler: Ata: as análises da múmia “extraterrestre” postas em causa

ata foi descoberto por Oscar Munoz em 2003, durante escavações realizadas no deserto de Atacama, localizado no centro do Chile. Impressionado com a estranha aparência da múmia, o homem a colocou à venda e mudou de mãos várias vezes ao longo dos anos seguintes.

Ata acabou nas mãos de Ramon Navia-Osorio, um colecionador de Barcelona apaixonado por ufologia.

A múmia alimentou muitas teorias incríveis e muitos pensaram que era a prova da existência de extraterrestres.

Ata há muito considerado prova da existência de extraterrestres

Sanchita Bhattacharya, especialista em bioinformática, conseguiu obter amostras da múmia e realizar extensos estudos. Depois de ter sequenciado seu genoma, o pesquisador acabou concluindo que os restos não tinham nada de extraterrestre e que eram na verdade os restos mumificados de uma garotinha chilena que sofria de mutações genéticas e distúrbios de crescimento.

No entanto, essas explicações não convenceram toda a comunidade científica e Kristina Killgrove, bioarqueóloga do Instituto Ronin, contestou as descobertas feitas por sua colega em abril passado.

Para ela, a múmia não tinha características incomuns e tinha todas as características de um feto humano mumificado.

Após essas revelações, muitos cientistas, por sua vez, contataram o bioarqueólogo no Twitter.

Trocas no Twitter que levaram à redação de um novo artigo científico

Essas discussões levaram a um novo artigo científico publicado no International Journal of Paleopathology nesta quarta-feira, um estudo liderado por Sian Halcrow, Kristina Killgrove, Gwen Robbins Schug, Michael Knapp, Damien Huffer, Bernardo Arriaza, William Jungers e Jennifer Gunter.

Neste artigo, os pesquisadores argumentam que suposições anteriores feitas sobre a múmia levaram a conclusões excessivamente zelosas e testes eticamente problemáticos.

Do seu ponto de vista, a idade real de Ata foi assim avaliada incorretamente e os métodos utilizados pelos investigadores do estudo anterior não respeitaram as normas em vigor. Mais problemático, eles também acreditam que suas conclusões estavam totalmente erradas. Para eles, a múmia não apresenta evidências de qualquer anormalidade e, portanto, possui características semelhantes às de todos os fetos em desenvolvimento.

Mas e as anormalidades genômicas identificadas, então? Os pesquisadores acreditam que estes são o resultado de má interpretação e que suas conclusões foram influenciadas pelas anormalidades corporais observadas por eles. Em outras palavras, eles assumiram que as anormalidades genômicas destacadas pelo teste explicavam a malformação da múmia, quando esses traseiros eram claramente questionáveis.

Os fins não justificam os meios

O mais interessante ainda está por vir. Segundo os pesquisadores, o estudo anterior não respeitou os princípios éticos que acompanham a bioarqueologia. Segundo eles, o estudo por eles realizado deveria, sim, incluir uma declaração ética ou mesmo uma licença arqueológica, mas isso não aconteceu.

Embora os cientistas estejam bem cientes do apelo da múmia para a comunidade científica e o público em geral, eles também acreditam que o fim não justifica os meios.

Em seu artigo, eles argumentam que não é porque as análises de DNA se tornaram acessíveis que os pesquisadores devem esquecer os princípios éticos ligados à sua profissão. Neste caso específico, ninguém sabe se Ata ainda tem algum familiar vivo e, portanto, seria necessário ser mais respeitoso com seus restos mortais.

~~~~~~~~📱~~~~~~~~

PCtg.net é o lugar perfeito para encontrar as últimas notícias e análises sobre gadgets e aplicativos de tecnologia, bem como dicas e truques sobre como tirar o máximo proveito de sua tecnologia.