Aprenda a Ganhar Dinheiro do seu Jeito na Internet!

Fundadores do alfabeto renunciando e o que isso significa para o futuro

Estás a ler: Fundadores do alfabeto renunciando e o que isso significa para o futuro

Tem havido muita conversa nas indústrias de marketing digital e de tecnologia sobre os cofundadores do Google, Larry Page e Sergey Brin, ambos deixando o cargo de gerente. A empresa-mãe do Google, Alphabet Inc (NASDAQ: GOOG), que será liderada por Sundar Pichai, anunciou a alteração em uma carta aos acionistas na terça-feira.

Apesar da mudança, entretanto, Page e Brin declararam publicamente que permanecerão no controle do Alphabet.

Isso não é surpreendente, já que Page e Brin ainda possuem, coletivamente, 51% do poder de voto da Alphabet. O Google confirmou à CNBC na terça-feira que a estrutura de votação da empresa não mudaria como parte da mudança de liderança.

Essa é uma situação estranha, no entanto, porque a estrutura corporativa da Alphabet já os libertou de muitas das responsabilidades do dia a dia, então eu não ficaria surpreso se houvesse mais na história.

Sundar Pichai assumirá o cargo de CEO da Alphabet, mantendo sua função atual de CEO do Google.

Isso pode ser visto como positivo ou negativo, dependendo da sua opinião sobre o Alphabet e suas práticas comerciais.

Alguns, inclusive eu, não esperam que muita coisa mude no futuro próximo.

Alfabeto é um gigante. E, assim como manobrar um enorme porta-aviões, uma grande mudança de direção para uma empresa desse tamanho requer tempo e esforço significativos. Com subsidiárias enormes, incluindo Google, Sidewalk Labs, DoubleClick e várias outras sob o guarda-chuva da Alphabet, um pivô ágil não é realista. Além de não ser realista, geralmente não é vantajoso para uma empresa tão grande fazer uma grande mudança de direção.

Sundar Pichai e o futuro do alfabeto

Alguns outros acreditam que menos envolvimento dos fundadores levará à falta de foco e desempenho. Isso geralmente ocorre quando os fundadores visionários renunciam, deixando as pessoas com uma mentalidade diferente no comando.

Essa é uma posição compreensível, mas, considerando a enorme transformação que testemunhamos sob sua liderança direta nas últimas duas décadas, a mudança é algo com que os funcionários da empresa já se sentem confortáveis, de cima para baixo.

A Alphabet lançou e matou um número estonteante de projetos ao longo dos anos, incluindo várias redes sociais. Mas durante todo o processo, eles sempre permaneceram focados em seu principal produto – a pesquisa.

Isso não vai mudar tão cedo. A pesquisa desempenha um papel fundamental em seus negócios e, é claro, existe o fato de que atualmente ela também responde pela maior parte de sua receita.

Esse é um carrinho de maçã que eles não querem virar.

Mas, apesar de seu foco intenso e consistente nas últimas duas décadas, nem sempre foi um caminho tranqüilo.

Em 2012, sua tentativa excessivamente zelosa de eliminar as táticas de criação de links que consideravam uma violação de suas diretrizes em constante mudança, destruíram inúmeras empresas. A atualização do algoritmo Penguin removeu completamente milhares de empresas inocentes dos resultados da pesquisa. Isso significava que, mesmo que um usuário tivesse pesquisado por essa empresa pelo nome, ele não apareceria nos resultados da pesquisa.

Em 2019, eles lançaram outra atualização de algoritmo apelidada de atualização do Medic, que teve um resultado semelhante, dizimando inúmeros sites legítimos sobre tópicos médicos.

O dano colateral de ambas as atualizações foi surpreendente e irresponsável. E houve vários outros que, embora menos graves, ainda tiveram um efeito adverso significativo em negócios legítimos.

Onde vejo o potencial de tremendo impacto – positivo ou negativo – será na maneira como a empresa trata os usuários.

Até agora, o histórico deles não tem sido ótimo.

“Não seja mau” fazia parte do código de conduta corporativo do Google desde 2000. No entanto, quando se reestruturaram sob a empresa-mãe Alphabet, em 2015, substituíram esse lema por “faça a coisa certa”.

Principais preocupações de privacidade no Google

Embora essa mudança possa parecer benigna, a mudança sutil, porém significativa, foi preocupante para muitos.

A “coisa certa” pode ser interpretada de maneira diferente, dependendo de quem você perguntar. A coisa certa para o alfabeto geralmente não é a certa para os usuários, como vimos no tratamento de privacidade e dados pessoais. E eles tiveram uma merecida surra por isso.

Alguns exemplos incluem:

  • Projeto Nightingale do Google reúne dados pessoais de saúde de milhões de americanos
  • O Google diz que permite que aplicativos de terceiros digitalizem e compartilhem dados de contas, de acordo com uma carta enviada aos legisladores federais.
  • Novo estudo mostra que o Android do Google está compartilhando ainda mais dados do que pensávamos
  • Na conferência Techonomy em 2010, Eric Schmidt declarou “Mostre-nos 14 fotos suas e podemos identificar quem você é. Você acha que não tem 14 fotos suas na internet? Você tem fotos do Facebook!
  • Depois que as preocupações com a privacidade foram levantadas em 2009, o CEO do Google, Eric Schmidt, declarou: “Se você tem algo que não quer que ninguém saiba, talvez não deva fazê-lo em primeiro lugar”.

Os usuários são, obviamente, a principal prioridade, porque é necessário um público para vender publicidade. A Alphabet fez um trabalho bastante eficaz nisso.

De fato, eles reportaram uma receita de publicidade de US $ 33,9 bilhões no terceiro trimestre, um aumento de 17% em relação aos US $ 29 bilhões de apenas um ano atrás.

Mas o histórico ruim de privacidade da Alphabet não termina com os usuários. Os editores, no entanto, são igualmente essenciais porque, sem eles, o Google não tem literalmente nada a oferecer aos usuários.

Sundar Pichai precisa evitar se tornar o próximo lycos

Em um esforço para continuar evoluindo em sua missão “de organizar as informações do mundo e torná-las universalmente acessíveis e úteis”, o Google rotineiramente ultrapassou seu relacionamento com os editores.

Eles rotineiramente raspar dados de sites e, em seguida, virar e cortar o editor da equação, apresentando os dados diretamente aos usuários. E os exemplos do Google fazendo isso continuam a se espalhar para vários novos tópicos de pesquisa.

Com Page e Brin saindo, esta é a oportunidade perfeita para Sundar Pichai abordar as preocupações de privacidade dos usuários e, igualmente importante, as preocupações de propriedade intelectual dos editores.

Se a nova liderança não conseguir fazer isso, a Alphabet poderá enfrentar em breve uma participação de mercado em declínio para concorrentes focados na privacidade, como Brave, que compete com o Chrome, e DuckDuckGo, que compete com o Google.

Embora isso possa parecer inconcebível no momento, precisamos lembrar que, uma vez, o Google era apenas um pequeno mecanismo de pesquisa com participação de mercado praticamente nula.

~~~~~~~~📱~~~~~~~~

PCtg.net é o lugar perfeito para encontrar as últimas notícias e análises sobre gadgets e aplicativos de tecnologia, bem como dicas e truques sobre como tirar o máximo proveito de sua tecnologia.