Aprenda a Ganhar Dinheiro do seu Jeito na Internet!

MIT quer nos ajudar a contar calorias

Estás a ler: MIT quer nos ajudar a contar calorias

a MIT está neste momento a trabalhar num projeto que deve interessar a quem pretende fazer dieta para encontrar a linha antes do verão. De fato, o instituto está desenvolvendo uma nova tecnologia de reconhecimento de voz que deve nos ajudar a contar as calorias que ingerimos ao longo do dia.

Basicamente, todas as dietas são baseadas em uma simples… subtração. Contamos as calorias absorvidas, retiramos as calorias gastas e basta que o resultado seja negativo para perdermos um pouco de peso.

calorias MIT

Bem, depois disso, há muitas outras variáveis ​​a serem levadas em consideração, mas o ponto de partida está aí.

Não é fácil acompanhar as calorias consumidas

O mercado para vestuário sendo o que é, medir o número de calorias queimadas não é muito difícil, pois a maioria dos treinadores eletrônicos está equipada com uma função desse tipo.

Não, o mais complicado é acompanhar tudo os alimentos que cruzam o limiar de nossos lábios.

Assim, todos os aplicativos se parecem um pouco e exigem que o usuário digite o nome de tudo o que come à mão. É bastante restritivo e tanto para dizer que a maioria das pessoas para de manter a conta depois de uma semana, às vezes menos.

Felizmente, o MIT está atualmente trabalhando em uma alternativa baseada em um sistema de reconhecimento de voz. A ideia é, portanto, abandonar a palavra escrita em favor da… da voz. Se o instituto conseguir atingir seus objetivos, as pessoas terão apenas que listar os pratos e alimentos consumidos para atualizar seu banco de dados pessoal e obter o número de calorias consumidas ao longo do dia.

Em vez de tentar reinventar a roda, os pesquisadores que trabalham no projeto optaram por confiar em tecnologias existentes, como o sistema de reconhecimento de voz desenvolvido pelo Google ou o banco de dados do USDA.

O MIT não queria reinventar a roda

Então, eles concentraram seus esforços em algoritmos de aprendizado de máquina para que o programa pudesse classificar facilmente cada prato. Surpreendentemente, o valor nutricional de uma batata não é o mesmo com queijo derretido e um pedaço de bacon como bônus.

Esta etapa foi a mais complicada e o MIT, portanto, contou com a aprendizado de máquina para economizar tempo. Assim, pediram a vários voluntários que registrassem suas refeições e classificassem as diferentes palavras que compunham seu nome em tantas categorias.

Ao todo, eles gravaram cerca de 10.000 entradas diferentes e, em seguida, os algoritmos assumiram o controle.

No papel, este techno é obviamente muito promissor, mas provavelmente não estamos prontos para aproveitá-lo.

~~~~~~~~📱~~~~~~~~

PCtg.net é o lugar perfeito para encontrar as últimas notícias e análises sobre gadgets e aplicativos de tecnologia, bem como dicas e truques sobre como tirar o máximo proveito de sua tecnologia.