Aprenda a Ganhar Dinheiro do seu Jeito na Internet!

Pesquisadores conseguiram reviver cérebros de porco quatro horas depois de morrerem

Estás a ler: Pesquisadores conseguiram reviver cérebros de porco quatro horas depois de morrerem

No início deste ano, a revista científica Nature publicou um estudo que descobriu que pesquisadores conseguiram restaurar certas funções neuronais no cérebro de porcos mortos por cerca de quatro horas.

Este experimento já levanta muitas questões éticas.

Os pesquisadores por trás deste estudo insistiram que eles apenas detectaram ” nenhuma atividade elétrica que seria o sinal de fenômenos de consciência ou percepção nos cérebros estudados.

Nenad Sestan, um dos autores do estudo e pesquisador da Universidade de Yale, garantiu que ” não cérebros vivos, mas cérebros cujas células estão ativas. »

O cérebro tem capacidades de restauração espetaculares

Segundo Nena Sestan, este estudo comprova que temos há muito tempo ” subestimaram a capacidade de restauração celular do cérebro. “Os resultados deste estudo sugerem que a deterioração dos neurônios” depois de parar o fluxo sanguíneo pode ser um processo de longa duração e não rápido. »

É importante ressaltar que mesmo um breve período sem o fornecimento de sangue oxigenado ao cérebro é suficiente para causar a morte celular. Se as áreas afetadas forem grandes o suficiente e a interrupção suficientemente longa, o dano pode ser irreversível. No entanto, atualmente, os neurocientistas estão divididos quanto à rapidez com que isso pode se tornar inevitável.

Função dos neurônios restaurada graças ao BrainEx

Nenad Sestan explicou que, para restabelecer o funcionamento dos neurônios, seria necessário fornecer-lhes fluxo sanguíneo pulsante na chamada temperatura normal. Para fazer isso, ele criou um sistema de suporte chamado BrainEx que literalmente bombeia uma mistura de transportadores de oxigênio e agentes de proteção e estabilização de células nas artérias principais do cérebro, 40 a 180 vezes por minuto.

Para testar a eficácia deste dispositivo, a equipe liderada por Nenad Sestan colocou 32 cérebros de porcos mortos no BrainEx, quatro horas depois de serem mortos. Eles foram então estudados por seis horas.

Como resultado desse experimento, os pesquisadores descobriram que a morte celular diminuiu quando os cérebros estavam no BrainEx e algumas funções celulares voltaram à vida, incluindo alguma atividade neural no hipocampo.

~~~~~~~~📱~~~~~~~~

PCtg.net é o lugar perfeito para encontrar as últimas notícias e análises sobre gadgets e aplicativos de tecnologia, bem como dicas e truques sobre como tirar o máximo proveito de sua tecnologia.