Aprenda a Ganhar Dinheiro do seu Jeito na Internet!

Uma conferência para lutar contra detritos espaciais

Estás a ler: Uma conferência para lutar contra detritos espaciais

o sétima conferência de detritos espaciais aconteceu de 18 a 21 de abril em Darmstadt, na Alemanha.

A conquista do espaço deixou milhões de detritos acima de nossas cabeças desde seu início em 1957 e o lançamento dos primeiros foguetes. Mais de 4900 lançamentos foram feitos até agora, e esse número continua a crescer exponencialmente.

O número de detritos espaciais que orbitam a Terra é estimado em mais de 750.000. Um número impressionante que diz respeito apenas a objetos maiores que um centímetro. Se considerarmos os detritos de menos de um centímetro, devemos adicionar a esse número… mais de 179 milhões de objetos.

Detritos espaciais, um problema sério

Segundo os cientistas, este é um grande problema para a exploração espacial e seu futuro. Esses detritos já são a principal causa de morte de satélites. A mais de 56.000 quilômetros por hora, esse mini detritos causa grandes danos devido à sua força cinética.

Seria, portanto, necessário desacelerar o envio de espaçonaves ao espaço para limitar o número de detritos, o que dificilmente é possível devido ao crescimento do desenvolvimento aeroespacial. Outra solução seria limpar o espaço, abrir espaço.

A maior área de resíduos está localizada em torno da órbita geoestacionária, a uma altitude de cerca de 36.000 quilômetros. Alguns satélites em fim de vida são impulsionados um pouco mais alto para não interferir nos que estão em operação.

Um alerta de colisão por semana

A Agência Espacial Europeia recebe aproximadamente um alerta de colisão por semana para apenas dez satélites ativos em órbita baixa. Um número crescente que revela a inquietante acumulação de detritos.

Thomas Pesquet explicou durante videoconferências que a Estação Espacial Internacional poderia suportar projéteis de um centímetro de diâmetro. A ISS, assim como os satélites, muitas vezes realizam manobras de deslocamento para evitar os destroços. A estação também foi evacuada em uma espaçonave Soyuz quatro vezes desde sua existência por causa de potenciais ameaças. Em julho de 2015, esse foi o caso por causa dos restos de um satélite russo passando nas proximidades.

Para limpar o cosmos, diferentes métodos são possíveis. Um meio ativo permitiria trazer os satélites de volta à Terra de forma controlada, no momento de seu fim de vida no cemitério do Pacífico, uma área específica muito isolada localizada a 1.500 quilômetros da Antártida. Mas esses objetos se quebram em vários fragmentos e acabam em uma área muito maior.

Um projeto japonês de “limpeza de espaço” foi lançado no final de 2016, mas seu lançamento foi adiado devido a problemas técnicos e estruturais. Ele propôs um cordão de 700 metros que atrairia resíduos espaciais por efeitos eletromagnéticos para levá-los de volta à atmosfera da Terra.

O futuro é, portanto, projetado para redes de recuperação ou rebocadores espaciais. Mas não vamos esquecer as façanhas da SpaceX que reutilizam o mesmo lançador várias vezes, uma grande economia que participará massivamente na redução de detritos no espaço.

Os problemas que temos na Terra se estendem acima da atmosfera. Mais e mais tráfego, portanto. A pesquisa continua a encontrar soluções viáveis.

~~~~~~~~📱~~~~~~~~

PCtg.net é o lugar perfeito para encontrar as últimas notícias e análises sobre gadgets e aplicativos de tecnologia, bem como dicas e truques sobre como tirar o máximo proveito de sua tecnologia.