Aprenda a Ganhar Dinheiro do seu Jeito na Internet!

Uma nova classe de neurônios envolvidos no reconhecimento facial?

Estás a ler: Uma nova classe de neurônios envolvidos no reconhecimento facial?

o reconhecimento facial é uma habilidade do cérebro que a comunidade científica vem tentando entender há séculos. E de acordo com descobertas recentes, neurônios hipotéticos apelidados neurônios da vovó, estaria na origem dessa capacidade surpreendente. No entanto, os especialistas ainda não conseguiram provar sua existência.

Mas, de acordo com pesquisas recentes, Winrich Freiwaldneurocientista daUniversidade Rockefeller (Nova York), e seus comparsas estão no caminho certo para finalmente liberar os neurônios que nos permitem dizer a diferença entre inúmeros rostos. E isso, graças a macacos rhesus.


A foto de um neurônio
Créditos Colin Behrens – Pixabay

Freiwald e sua equipe também notaram que, apesar de sua eficiência, esses famosos neurônios ainda têm seus limites. E aera virtual em que vivemos agora não facilita a vida dessas células nervosas.

Esses neurônios hipotéticos existem para real

Foi na década de 1960 que os pesquisadores ligaram pela primeira vez nossa capacidade de lembrar de alguém aos neurônios. Desde então, a comunidade científica continuou a tentar identificá-los. E recentemente, para elucidar esse mistério, Freiwald e seus comparsas realizaram um experimento.

Eles usaram ressonância magnética para localizar esses famosos neurônios em macacos rhesus. Para fazer isso, esses cientistas percorreram fotos de rostos familiares e desconhecidos na frente desses macacos (que eles só viram virtualmente).

Quando esses primatas viram rostos aos quais estão acostumados, neurônios localizados em uma área do polo temporal de seus cérebros emitiram sinais elétricos significativamente mais intenso. Os dados mostraram claramente que esses neurônios desempenham um papel crucial no reconhecimento facial.

Neurônios realmente complexos e eficientes, mas limitados

Segundo Winrich Freiwald, esses neurônios também desempenham um papel de memória, que só reage aos estímulos que o cérebro já experimentou. Esses neurônios, portanto, fariam a conexão entre nossa memória e nossos sentidos, permitindo o reconhecimento facial.

No entanto, essa experiência também trouxe à tona um fato muito interessante. De fato, esses neurônios são menos eficazes quando se trata de identificar rostos que ainda não vimos na realidade, mas apenas através de uma tela. A capacidade de reconhecimento dos macacos é então muito reduzida.

~~~~~~~~📱~~~~~~~~

PCtg.net é o lugar perfeito para encontrar as últimas notícias e análises sobre gadgets e aplicativos de tecnologia, bem como dicas e truques sobre como tirar o máximo proveito de sua tecnologia.