Aprenda a Ganhar Dinheiro do seu Jeito na Internet!

Viagem espacial corre o risco de danificar o cérebro dos astronautas

Estás a ler: Viagem espacial corre o risco de danificar o cérebro dos astronautas

Permanecer no espaço por muito tempo leva a atrofia muscular e um redução da densidade ósseaMas isso não é tudo.

Os cientistas também descobriram que as viagens espaciais têm um impacto no cérebro. Mas ainda não se sabia como o tecido cerebral foi afetado pela microgravidade e até que ponto as mudanças neuroanatômicas observadas até agora persistiram após o retorno à gravidade normal.

Marchar

Perguntas para as quais um novo estudo acaba de fornecer respostas.

Um estudo complexo sobre os cérebros dos cosmonautas

O estudo foi realizado em cosmonautas russos pelo professor Peter zu Eulenburg, neurologista do Hospital Universitário, LMU Munique. Exigiu a colaboração de seus colegas russos, bem como de um grupo de neurocientistas da Universidade de Antuérpia, liderado por Floris L. Wuyts. Este estudo descobriu que as mudanças nos três principais volumes de tecido cerebral permanecem detectáveis ​​ao longo de pelo menos 6 meses após o fim da última missão dos cosmonautas.

Os resultados do estudo foram publicados na revista Jornal de Medicina da Nova Inglaterra.

O estudo foi realizado em 10 cosmonautas que cada um passou uma média de 189 dias a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS). Os pesquisadores usaram o tomografia por ressonância magnética (MRT) para ser capaz de perscrutar os cérebros dos sujeitos antes e logo após completar suas missões. Sete deles também foram reexaminados 7 meses após seu retorno do espaço.

Resultados do estudo

Análises TRM realizadas alguns dias após o retorno à Terra dos cosmonautas mostraram que volume de massa cinzenta (ou seja, a parte do córtex cerebral composta principalmente pelos corpos celulares dos neurônios) foi reduzido em comparação com a medição de linha de base registrada antes de sua partida para o espaço.

Para os 7 cosmonautas reexaminados sete meses depois, o efeito foi parcialmente revertido, mas ainda detectável. Por outro lado, os pesquisadores descobriram que volume do líquido cefalorraquidiano (que preenche as cavidades interna e externa do cérebro) estava aumentando no córtex após longa exposição à microgravidade.

O processo também foi observado em os espaços exteriores que cobrem o cérebro após o retorno do espaço, enquanto espaços do líquido cefalorraquidiano no interior tinha recuperado um tamanho quase normal.

a volume de tecido da substância branca (ou seja, as partes do cérebro compostas principalmente de fibras nervosas) pareciam não ter mudado durante os exames realizados imediatamente após o retorno à Terra. No entanto, os pesquisadores descobriram que seu volume diminuiu durante exames realizados 6 meses depois.

Com base nesta última descoberta, os cientistas acreditam que o volume de matéria branca pode ser lentamente substituído por um influxo de líquido cefalorraquidiano durante uma estadia prolongada no espaço. Então, quando os cosmonautas retornam à Terra, esse processo é gradualmente revertido, resultando em uma redução relativa no volume de matéria branca no cérebro.

O professor Peter zu Eulenburg e os outros cientistas que conduziram o estudo acreditam que mais pesquisa são necessários para entender melhor os riscos associados a missões de longa duração no espaço e minimizar seu impacto nos cosmonautas.

~~~~~~~~📱~~~~~~~~

PCtg.net é o lugar perfeito para encontrar as últimas notícias e análises sobre gadgets e aplicativos de tecnologia, bem como dicas e truques sobre como tirar o máximo proveito de sua tecnologia.